sexta-feira, 1 de fevereiro de 2008

Cascas de árvores da caatinga: um grande potencial paisagístico para a arborização urbana

Uma pequena amostra da beleza e diversidade das cascas de árvores na caatinga. Da esquerda para a direita: 1) embiratanha, Pseudobombax marginatum (Bombacaceae); 2) catingueira, Caesalpinia pyramidalis (Leguminosae: Caesalpinioideae); 3) cumaru, Amburana cearensis (Leguminosae: Papilionoideae); 4) gambá ou jurema-branca, Piptadenia sp. (Leguminosae: Mimosoideae); 5) pacotê, Cochlospermum vitifolium (Bixaceae); 6) imburana, Commiphora leptophloeos (Burseraceae); 7) jucá, Caesalpinia ferrea (Leguminosae: Caesalpinioideae); 8) pinhão-bravo, Jatropha sp. (Euphorbiaceae); 9) surucucu, Piptadenia viridiflora (Leguminosae: Mimosoideae); 10) angico, Anadenanthera colubrina (Leguminosae: Mimosoideae); 11) aroeira, Myracrodruon urundeuva (Anacardiaceae); 12) braúna, Schinopsis brasiliensis (Anacardiaceae); 13) maniçoba, Manihot sp. (Euphorbiaceae); 14) marmeleiro-preto, Croton sonderianus (Euphorbiaceae); 15) pau-branco, Auxemma oncocalyx (Boraginaceae); 16) pereiro, Aspidosperma pyrifolium (Apocynaceae). Fotos tiradas por Antonio Alves Tavares no Ceará, municípios de Aiuaba, Maranguape e Pentecoste. Clique na foto para ampliar a imagem.

A palavra caatinga é de origem tupi e significa "floresta branca", devido ao aspecto de vegetação na estação seca. Atualmente fala-se muito em preservar a Floresta Amazônica e a Mata Atlântica, sendo que o valor ecológico da caatinga ainda é quase que totalmente ignorado. Cada bioma possui uma biodiversidade característica. Portanto, é muito importante que sejam preservadas porções significativas de todos os ecossistemas. Existem muitas espécies de animais e plantas que só ocorrem na caatinga. Em minhas viagens pelo sertão do Ceará fiquei muito impressionado com a beleza das árvores da caatinga. A maioria dessas fotos foram tiradas em plena seca, que no Ceará estende-se aproximadamente de julho a janeiro. Durante esse período, salvo raras excessões, as árvores encontram-se em repouso vegetativo. Com a ausência de folhas, destacam-se muito a variedade de cores e de padrões de cascas de árvores. Descobri com espanto que a "floresta branca" não é totalmente branca! Bons paisagistas saberiam valorizar os atributos ornamentais dessas árvores, ordenando-as de uma maneira artística no ambiente urbano. Infelizmente é muito alta a percentagem de árvores exóticas utilizadas na arborização urbana em nosso país. O brasileiro ainda não aprendeu a valorizar o que tem. Existe uma grande repetição das mesmas espécies em muitas capitais brasileiras. Não é interessante uma arborização totalmente padronizada em todas as cidades, no estilo "Mac Donalds". É impressionante também a falta de arborização nas cidades do interior cearense. A diversidade e variação regional da arborização com espécies típicas dos ecossistemas originais conferem um atrativo adicional para as cidades. A utilização de árvores da caatinga em praças e ruas das cidades teria um grande efeito educativo, contribuindo para preservar a identidade cultural de cada povo. Para preservar é necessário gostar. As pessoas só vão valorizar a caatinga quando conhecerem as suas verdadeiras qualidades estéticas e ecológicas.

7 comentários:

Marcelo Moro (Biólogo) disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Marcelo Moro (Biólogo) disse...

As árvores nativas do Nordeste brasileiro têm um grande potencial para arborização e paisagismo. Além disso, elas podem cumprir importantes funções ecológicas nas cidades, como a alimentação da fauna e o auxílio à conservação das espécies nativas. Pena que os administradores não tenham conhecimento disso e continuem a multiplicar as mesmas árvores exóticas, muitas das quais são espécies invasoras que geram problemas ambientais.

Roberta Lacerda (Engenheira Florestal) disse...

É importante também conhecer todas as potencialidades das espécies antes de planta-las para que assim possa adequar cada árvore a um determinado ambiente urbano, sem causar prejuízos devido a uma escolha mal feita.

Sérgio Veludo disse...

Gostei da sua proposta e gostei ainda mais das fotos das cascas de árvores. Eu tenho um site de fotografia onde tenho algumas fotos de cascas de árvores. Se quizer dar uma olhada o endereço é:
http://www.veludo.fot.br/Olhares/Thumbs.php?lugar=cascas

Abraços,
Sérgio

professor jarbas disse...

Eu sou Francisco Jarbas, professor licenciado em geografia. E, junto com outro professor (biólogo marinho) Erones Santiago, estamos desenvolvendo um projeto na nossa escola em Palhano Ceará, que é um Horto Escolar em uma área de aproximadamente uma hectare. Gostaríamos de receber informações sobre as árvores nativas da nossa região.

e-mail: prof.jarbinhas@gmail.com

Prof. Tavares disse...

Desculpem pela demora. Estive uns tempos parado com o blog.

Prof. Tavares disse...

Caro Jarbas,
existem um livro chamado "Árvores da Caatinga" da Gerda nickel Maia que apresenta uma série de informações interessantes sobre árvores que eu acredito que ocorram em sua região. Você pode encontrar o livro no link http://www.esplar.org.br/artigos/setembro/29.htm
Um abraço